Segredos da Medicina Oriental

tratamento oriental

Medicina Oriental

A medicina chinesa é um sistema completo de medicina, que apareceu pela primeira vez na forma escrita, por volta de 100 A.C. Desde então, China, Japão, Coréia e Vietnã têm desenvolvido suas próprias versões do sistema.

Qi (também escrito como “chi”) é um conceito essencial na medicina chinesa. Qi é uma forma de energia vital que existe tanto dentro como fora do corpo humano. A raiz de todas as funções do corpo humano e do universo que nos rodeia é uma forma de qi.

A medicina chinesa descreve a fisiologia e a psicologia humana baseada na teoria do qi, relacionando o qi com processos físicos e mentais, e com estados emocionais. Diferentes tipos de qi comumente referidos na medicina chinesa, incluem o qi do sangue, o qi dos órgãos, o qi da nutrição, o qi meridiano e o qi patogênico. O qi patogênico pode entrar no corpo através de fontes como vento, umidade, calor, frio e secura.

A qualidade do qi é descrita em termos de Yin e Yang. Yin e Yang são energias opostas, mas existem independentemente. Qi yin é definido como energia fria ou refrescante, e qi yang como energia quente e de aquecimento.

Para ser saudável, a pessoa deve manter o equilíbrio entre o yin e o yang, porque o yang precisa se nutrir do yin para funcionar, e o yin precisa do yang para ser produzido e utilizado. Os seres humanos são considerados saudáveis quando o qi circula livremente e há um fluxo equilibrado de yin e yang.

Quando o qi yin está deficiente, então o yang está em excesso, e os sintomas como ondas de calor, suores noturnos, ansiedade, agitação, elevação da pressão arterial e constipação podem se manifestar.

Quando o qi yang está deficiente, então o qi yin está em excesso, e sintomas como sensação de frio, sensação de fadiga, diarreia, metabolismo lento com retenção de água, pressão arterial baixa e retardo psicomotor podem ocorrer.

Em chinês, as palavras utilizadas para expressar diferentes emoções são acompanhadas pela palavra qi. Por exemplo, a raiva é chamada de “qi da raiva” e alegria é chamada de “qi da alegria”. Por isso, quando uma intervenção é feita com a acupuntura ou a fitoterapia chinesa, ela não é feita somente visando afetar as funções físicas do corpo, mas também as funções mentais e emocionais.

Uma das mais famosas técnicas da medicina oriental é a coreana. A mais conhecida nos dias atuais é a acupuntura. Podemos ver uma grande diversidade de programas e cursos de acupuntura no Brasil hoje. Hoje temos programas específicos sendo desenvolvidos em apenas algumas partes do corpo para a acupuntura. Uma delas é um programa de acupuntura coreana nas mãos.

Outras vertentes da medicina tradicional oriental é a auriculoterapia oriental que é baseada no uso de pressão em pontos específicos das orelhas. Outro ramo da medicina asiática é a reflexologia podal que baseia-se no tratamento que tem reflexos em todo o corpo baseado em pontos nos pés.

Ser Mãe

Mamãe mantendo a forma

Exercício Para Mães Após o Parto

Depois da gravidez é normal que a mulher queira voltar à sua antiga forma. Mas temos de entender que leva tempo para o corpo voltar ao que era antes. Depois de nove meses crescendo, não espere perder os quilos acumulados num piscar de olhos.

O desejo não se sobrepõe à natureza e o corpo necessita de um período de tempo para recuperar e voltar ao que era. Nem sempre é fácil, e é preciso ter em mente que nem sempre se consegue – o que é motivo de frustração para muitas mães.

Ver os tornozelos, o abdomen, as pernas e os seios, aumentarem é difícil de aceitar, principalmente quando somos bombardeadas diariamente com imagens de famosas que acabaram de ser mães e cuja forma física já foi rapidamente recuperada. Na vida real as coisas não são assim tão fáceis. É necessário dedicação, empenho e acima de tudo, perseverança para não desanimar. Se seguir algumas dicas conseguirá dar os primeiros passos para atingir o tão desejado objetivo. O principal é não ficar esperando parada.

A rotina

Com a chegada do bebê a própria mãe se desorganiza. Quando se trata do primeiro filho é ainda pior. Existem muitas dúvidas, incertezas sobre o que se deve ou não fazer, há rotinas diárias para cumprir das quais terá de se habituar, e geralmente a última coisa em que pensamos é em nós mesmas. É normal que se sinta mal ao ver-se no espelho e achar que já teve melhores dias, mas também é normal que não faça disso prioridade na sua vida nesse momento.

É natural que sinta um forte desejo de começar a fazer algo que  ajude a recuperar a forma, mas com a chegada de um bebê, o tempo que tem para si mesma é quase nulo. Temos de ter em mente que, dependendo do tipo de parto – normal ou cesariana -, seu corpo precisa de um período de descanso: três ou seis semanas, respectivamente. E isto aplica-se não só a uma atividade física, mas também para a  recuperação pós-parto.

Amamentar ajuda a recuperar a forma

Ficou surpreendida? Mas é verdade, amamentar contribui para o recuperar a boa forma mais rapidamente, além de fazer bem à saúde do recém-nascido.

Segundo a recomendação da Organização Mundial de Saúde, a prática da amamentação exclusiva durante seis meses, contribui para uma perda de peso por parte da mãe, de forma mais rápida e saudável: cerca de 500g por semana entre a 4.ª e a 14.ª semana pós-parto, o que equivale a uma perda de 5kg.

Caso note num aumento de apetite, não entre em pânico. Como está perdendo muitas calorias, é normal que sinta mais fome. O que deve fazer? Apenas preste atenção a alimentação (o que não é sinônimo de dietas malucas!) mas coma de maneira saudável quando sentir vontade.

Mas não queira iniciar o exercício de modo regular e intenso. O seu corpo precisa de tempo para se habituar ao novo ritmo. Faça-o gradualmente.

Após a gravidez o seu desejo será usar novamente suas calças favoritas e largar definitivamente a roupa de grávida, mas nem sempre isso acontece como esperado. Ao subir na balança e ver o peso extra que ainda permanece no seu corpo poderá sentir-se frustrada, mas não será da noite para o dia que isso será perdido.

O abdômen leva tempo para perder e mesmo depois de algumas semanas após ter dado à luz, ainda terá a barriga um pouco saliente. Muitas mães preocupadas com as gordurinhas extras que teimam em permanecer nesta parte do corpo, caem no erro de apertar a barriga com a tão temida cinta, repetindo assim um erro que cometem há muito tempo.

Está cientificamente provado que o uso da cinta pós-parto deve ser moderado, nunca utilizando como única garantia para obter uma barriga lisa após a gravidez. Há mães que usam a cinta logo depois de saírem do hospital e acham que sem ela nunca mais terão a barriga como antes, e isso é um comportamento que tem de ser combatido porque se tornou do senso-comum” e acrescenta, “ao contrário do que as pessoas pensam, os ossos não se deslocam e quanto mais tempo usarem a cinta, mais tempo demoram a recuperar a forma que tinham”.

Se pensa que está contribuindo para melhor recuperação dos músculos abdominais, está enganada. A pressão a que os músculos estão sujeitos é tamanha, que o mesma ficará preguiçoso. O uso da cinta deve feito em casos que realmente o necessitem, quando a mãe sente algum desconforto, ou por conselho médico, caso contrário não o faça só porque a sua mãe ou amigas o fizeram.

Uma das melhores maneiras de tentar voltar ao ritmo ideal, sem precisar pagar uma academia ou um personal trainer é fazer exercícios básicos como flexões, séries de agachamento para queimar gordura, barras, etc.

Para isso existem programas como o Mamãe Sarada, que são específicos para mães que acabaram de ter seus filhos. São realizados treino de corrida intervalado levando assim a gastarem pouco tempo de seus dias fazendo exercícios que vão direto aos músculos que interessam para a rápida recuperação da mãe.

Em Busca do Corpo Perfeito

em busca do corpo perfeito

O desejo de ter atitudes físicas perfeitas é um sonho do maior parte das indivíduos. É certamente que estar bem em corpo amplifica o pundonor e os amor-próprio, porém é necessário ficar ligado aos bordas dessa procura para não nos frustrarmos ou acabarmos desenvolvendo qualquer enfermidade

“Mulheres e homens precisavam ter o ideal de que não há beleza excelente. Toda beleza é imperfeitamente catita. Nunca deveria cabedal um modelo, uma vez que toda beleza é exclusiva como um quadro de encanto, um reparo de arte.” O extrato do livro “Despotismo da Beleza”, de Magnífico Cury, no faz reverberar sobre o conceito do belo nos dias atuais.

Que mulher não pretende ter o boca carnuda do sol Angelina Jolie ou o ruído da atriz Juliana Paes? Ou que homem não sonha em assistir o belo físico da praticante Cristiano Ronaldo? As ofertas para assistir este padrões são inúmeras e se apresentam de todas as modelos. Em cada esquina que se vá, não é complicado obter uma profissional vibrante o proporcionar um regime ou uma intervenção plástica milagrosa. É necessário, no entanto, ficar ligado aos excessos e ter em mente, constantemente, as bordas na procura pelo tão desejável corpo ideal.

A pressão pela procura de um corpo esculpido similarmente é pregada, frequentemente, pelo conjunto de meios de comunicação, por intermédio de anúncios publicitários, novelas. “As indivíduos magras nos oferecem a ilusão de controle, de felicidade. Não estar no padrões de beleza, ao contrário, remete à exceção formal, ao espalhanço e à golpe”, diz a psicóloga.

Psicólogo e psicanalista, o professor da PUC Minas Celso Renato Silva, 29, explica que a sociedade de hoje vive em uma época de hiper valorização da aparência, situação que afeta, de forma direta, a relação das pessoas com seus corpos. “Podemos considerá-lo um meio de nos relacionarmos com o mundo. Essa relação é fundamental para que possamos realizar os nossos desejos, conquistar nosso espaço e nos constituir como seres humanos. A hiper valorização da estética afeta a forma de nos relacionarmos com o mundo. Isso faz com que nossa existência se resuma, em determinados casos, à manutenção da aparência, seja em academias, seja por meio de dietas, cirurgias, seja por meio de outras ações que visam ao corpo ideal”, salienta.

Um dos três únicos representantes de Betim no fisiculturismo – esporte cujo objetivo é buscar, por meio da musculação, a melhor forma muscular –, Emerson Alisson de Menezes, 30, afirma que malhar, para ele, é como uma profissão, uma rotina de vida. “Vou à academia de segunda a sábado. Só não frequento aos domingos, porque onde faço não abre. Como dizem: sou um ‘rato de academia’”, brinca Emerson.

Ele diz que, apesar de acreditar que toda pessoa tem uma preocupação com o corpo, em seu caso, essa busca pela imagem corporal perfeita é mais cobrada. “Sou um atleta e, por isso, não posso deixar a desejar. As pessoas cobram que eu mantenha a forma física ideal”, explica.

Nesse sentido, o psicólogo Celso Silva salienta que o equilíbrio entre o excesso e a escassez deve ser estabelecido por cada um. “As pessoas precisam buscar, constantemente, o conhecimento do próprio corpo, tanto de suas potencialidades quanto de seus limites. Respeitar isso é um bom começo para criar formas sadias de se preocupar consigo.”

Por exemplo, aumento de seios é algo que toda mulher busca para se sentir melhor e pensam chamar mais atenção de homens com isso.

Outra parte que é muito procurada são os glúteos. Procuram como com métodos os como aumentar a bunda. Além disso normalmente na mesma região e nas pernas existe também um grande problema com  estrias e uma grande dor de cabeça é encontrar métodos para estrias eliminar.

Tudo isso tem de ser revisto em nossos valores e claro que procurar alcançar tudo de uma maneira saudável com uma reeducação alimentar e exercícios constantes é o melhor caminho para evitarmos uma debilidade consequente de exageros em nossa saúde.